logo RCN

O poder de se impor frente às dúvidas

  • Folha do Oeste - Eliane é desportista desde a adolescência, o que facilitou o trabalho na Secretaria de Esportes

Convidada para ser a secretária de esportes, Eliane Bartz aceitou o desafio e desbancou comentário de que uma mulher não daria conta do recado

Nascida em uma família humilde, trabalhando desde cedo para ajudar os pais e pagar a faculdade, hoje pedagoga habilitada em gestão da educação, mãe, desportista e campeã brasileira de bolão feminino, Eliane Bartz é secretária de Esportes de São Miguel do Oeste. Aqui ela conta um pouco de sua trajetória, as dificuldades enfrentadas, a importância da base familiar na formação do cidadão e o sentimento de ser mãe e profissional. Também relata a responsabilidade de coordenar e organizar o esporte do município e o fato de ser a única mulher no Estado a exercer o cargo específico. “Quando fui convidada para assumir o cargo, não senti insegurança, pois tenho uma história no esporte migueloestino e conhecia a responsabilidade de tal função. É preciso ter muita firmeza, objetivos claros e ser profissional. No início, era mais complicado quando participava de reuniões em nível de Estado, afinal, entre as poucas mulheres presentes, a maioria ocupava secretarias em outras áreas, apenas eu respondia pela área esportiva, agora o pessoal já se acostumou, mas o começo foi difícil”, comenta.

Eliane afirma que no início enfrentou resistência por parte de algumas pessoas diretamente envolvidas na área esportiva, principalmente por ser mulher. Ela conta que chegou a ouvir comentários de que uma mulher não teria a firmeza necessária para comandar competições esportivas, como o futebol e outras modalidades onde a maioria dos praticantes é do sexo masculino. “Muitas pessoas apostaram que eu não iria durar mais do que 30 dias na secretaria, mas as pessoas que me indicaram, hoje afirmam que acertaram em cheio na escolha, pois houve um trabalho diferenciado, feito com amor, com o coração e o toque especial de uma mulher”, ressalta.

Levando em consideração os quatro anos em que está na função, Eliane garante que, atualmente, tem o respeito coletivo, tendo conquistado a confiança das lideranças esportivas locais, contando ainda com o apoio e a soma de ideias para a realização de competições e eventos ligados ao esporte. Afirma que a mulher deve, sim, mostrar o seu valor, sem medo de errar, buscando seu espaço com respeito, mas ao mesmo tempo com empenho, afinco, para provar que preconceito e machismo são coisas do passado e que a mulher não deve se sentir inferior profissionalmente. “Prefiro pecar por errar a pecar por não fazer. A mulher é mãe, é dona de casa e cuida da família, com certeza pode trabalhar fora e, independente da função, dar conta do recado. Acredito que houve um grande avanço em relação à inserção da mulher no mercado de trabalho. A  sociedade em geral tem uma visão menos preconceituosa e a mulher está buscando seu espaço com sucesso, está mais decidida, sem medo de encarar os desafios”, comenta.

Eliane diz que toda mulher tem um jeito único de resolver e encarar as situações do cotidiano, de compreender e realizar, é sentimental e preza muito pelos laços familiares. “Toda mulher tem um jeito “mãe” de resolver as situações com compreensão e coração. Quando assume algo, se dedica de corpo e alma. Ela faz dar certo com sua perseverança. Hoje, a mulher é uma sonhadora que corre atrás dos seus sonhos e age para torná-los realidade. Sou batalhadora, mas ainda tenho muitos sonhos, principalmente com dias melhores”, finaliza.

Da doçura de mãe à rispidez do chão de fábrica Anterior

Da doçura de mãe à rispidez do chão de fábrica

Dia Internacional da Mulher Próximo

Dia Internacional da Mulher

Deixe seu comentário

Nossas Redes

Impresso